Paraíba tem reservatórios cheios no litoral, mas 62 cidades racionam água; um deles no Vale do Piancó.

Um total de 62 cidades paraibanas enfrenta racionamento no fornecimento de água, de acordo com dados da Cagepa. 

Além disso, outros 35 estão em situação de alerta e 29 já entraram em colapso, segundo o órgão, que abastece 197 das 223 cidades da Paraíba. 

No outro extremo deste quadro, o litoral do estado tem reservatórios com um volume de água que chega perto dos 100% da capacidade, o que faz com que os municípios paraibanos enfrentem situações bem distintas em relação ao abastecimento.

Os mananciais de Marés e Gramame/Mamuaba (que atendem a região da Grande João Pessoa e Litoral); Coremas e Mãe d'água (que atendem a região do Cariri e do Sertão) e Boqueirão (responsável pelo abastecimento de Campina Grandee mais 18 cidades) são os principais do estado e passam por situaçõs distintas. Ao todo, a Aesa monitora 103 reservatórios de água em todo o estado.
Coremas e Mãe d'água

Os reservatórios de Coremas e Mãe d'água estão localizados no município de Coremas, no Sertão da Paraíba, e, segundo a Cagepa, juntos são responsáveiss por abastecer as cidades de Cajazeirinhas, São Bentinho, Condado, Malta, São Jose Dos Pinharas, Patos, Cacimba De Areia, Quixaba, São Mamede, Várzea, São José do Sabugi, Santa Luzia, Passagem, Areia De Baraúnas, Salgadinho, Assunção, Pombal, Paulista, São Bento, Brejo Do Cruz e Catolé Do Rocha.

Atualmente, segundo balanço da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA), os reservatórios estão com 16,8% (Coremas) e 20,1% (Mãe d'água) de sua capacidade, o que representa  99.352.754 m³ e 114.102.886 m³ de água, respectivamente. A capacidade do manancial de Coremas é de 591.646.222 m³ de água e o de Mãe d'água 567.999.136 m³ de água. Cada 1m³ é equivalente a mil litros de água.

De acordo com o gerente de monitoramento da Aesa, Alexandre Magno, a situação ainda pode ficar pior nestes mananciais porque, segundo ele, o período de chuvas da região já passou e a perspectiva é de estiagem até o fim do ano. “Nesta região as chuvas só são esperadas novamente para o mês de dezembro. Até lá, tem que se segurar com o que tem. A menos que aconteça algo fora do previsto, mas a previsão é de estiagem”, explicou.


O açude Epitácio Pessoa, mais conhecido como Boqueirão, fica localizado na cidade de mesmo nome, localizada na região da Borborema. O reservatório é responsável por abastecer Campina Grande e mais 18 cidades da região. A capacidade dele é de 411.686.287 m³, mas atualmente conta com apenas 71.122.389 m³ desse volume, o que representa 17,3%.

Por conta da pouca água em seu reservatório, Campina Grande passa atualmente por um período de racionamento, que vai das 17h do sábado até às 5h da terça-feira, todas as semanas. Em entrevista à TV Paraíba, o gerente regional da Cagepa em Campina Grande, Simão Almeida, afirmou que a ideia é aumentar o racionamento em dezembro, passando a ser de 84 horas. Ele afirmou ainda que, com o volume atual, a água que lá ainda resta, consegue atender à população até meados de 2017.

Já o diretor de operações da Cagepa, José Mota, afirmou que o órgão já contratou um flutuante para colocar em outubro no manancial. Segundo ele, quando se chega em um determinado volume, o equipamento apresenta alguns problemas para captar a água e aí se faz necessário colocar este flutuante.

Gramame/Mamuaba e Marés

Enquanto o Sertão, o Cariri, o Agreste e a Borborema sofrem com a falta de água, a situação no litoral é bem diferente. Os reservatórios Gramame/Mamuaba e Marés, que ficam nos municípios do Conde e João Pessoa, respectivamente, estão praticamente todos com sua capacidade quase cheia. O primeiro tem a capacidade de 56.937.000m³ de água e atualmente está com 100% de sua capacidade. Já o manancial de Marés,  que tem capacidade de 2.136.637 m³ de água, está atualmente com 2.088.779 m³, um percentual de 97,8%. Os reservatórios são responsáveis pelo abastecimento da Grande João Pessoa.

A atual situação se deve às fortes chuvas que caíram nos últimos dias na região. De acordo com a Cagepa, a população desta área não terá problemas de água pelos próximos meses. Porém, a Cagepa sempre ressalta que é importante que a população tenha consciência e economize o máximo de água possível.

Explicação da Cagepa

Apesar da situação crítica em alguns dos mananciais do estado, a Cagepa diz que está fazendo tudo que é possível para que a população da Paraíba não fique sem água. O diretor de operações da entidade, José Mota, ressalta que o órgão está há dois anos trabalhando para evitar que falte água para os paraibanos. Ele afirma também que todas as providências estão sendo tomadas no tempo certo.
“Faz mais de dois anos que nós estamos trabalhando para que não falte água, mas quando o açude seca completamente não podemos fazer água. Infelizmente dependemos das chuvas.  O governo da Paraíba também está fazendo várias adutoras de engate rápido, para solucionar este problema. Todas as providências foram tomadas no tempo certo. O problema é que já completou quatro anos sem chover bem e isso não cabe a nós”, finalizou.

Do G1-PB

Comentários
0 Comentários