Trabalhadores da CAGEPA paralisam atividades também na cidade de Patos.


Na próxima sexta-feira, dia 19, os trabalhadores da Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (CAGEPA) estarão paralisando suas atividades. A decisão de parar as atividades ocorreu em assembleia da categoria realizada na última segunda-feira (15), após mesa redonda entre a empresa e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB), que representa os trabalhadores da Companhia em todo o Estado, com exceção da cidade de João Pessoa.
A paralisação terá a duração de 24 horas, tendo início às 07h00 da sexta-feira. Os trabalhadores denunciam a tentativa de retirada de direitos históricos da categoria por parte da direção da empresa, além da ameaça de privatização.
A mesa redonda, ocorrida na tarde da segunda-feira, na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), em João Pessoa, terminou sem acordo. A CAGEPA, para surpresa dos trabalhadores, se negou a continuar a negociação, dizendo não ter mais propostas a apresentar. Esta mesa redonda estava prevista para acontecer no último dia 4 e os trabalhadores já ameaçavam fazer paralisação caso não houvesse avanços na negociação.
O diretor Administrativo e Financeiro da CAGEPA, Jorge Gurgel, disse, na frente de cerca de duzentos trabalhadores que lotaram as dependências da SRTE, que a empresa “está trazendo a melhor proposta” reafirmando que a empresa encontra-se no limite financeiro. A proposta de reajuste da empresa foi de 9,83%, representando o índice inflacionário do período de maio de 2015 a abril de 2016, dividido em parcelas que só serão finalizadas em abril do ano que vem.
Segundo o sindicato, o motivo principal para o impasse na negociação é a tentativa de retirar direitos históricos dos trabalhadores. “Não bastasse uma proposta de reajuste, aquém do que a empresa pode oferecer, a retirada direitos representa o maior retrocesso da história dos mais de 50 anos da CAGEPA”, disse Adriano Teixeira, presidente do STIUPB.
Direitos como o auxílio transporte e o adicional de insalubridade, protegidos pela legislação trabalhista estão sendo ameaçados na proposta oferecida pela empresa. Além disso, a empresa propõe aumentar a jornada de trabalho. “Aí reside o impasse principal. Esta proposta da CAGEPA, além de imoral, é ilegal. Nós não vamos aceitar um acordo que ponha em risco a vida do trabalhador”, comentou o presidente do STIUPB. Segundo ele, mesmo com a negativa da empresa em negociar com a categoria, o sindicato continuará buscando o diálogo e irá solicitar a intervenção do Ministério Público do Trabalho para que a empresa volte a negociar.
A paralisação no próximo dia 19 (sexta-feira) tem caráter de advertência e os trabalhadores não descartam a possibilidade do início de uma greve por tempo indeterminado, caso a empresa não volte atrás na decisão de não mais negociar.

Patosonline.com

Comentários
0 Comentários