Câmara dos Deputados inclui MP do ensino médio na pauta de terça-feira.

Deputado Wilson Filho foi relator
 revisor da MP (Foto: Divulgação)
A medida provisória que reformula o ensino médio (MP 746/16) pode ter sua votação concluída nesta terça-feira (13). Os deputados precisam analisar os destaques apresentados ao texto-base da reforma do ensino médio, já aprovado na forma do projeto de lei de conversão do senador Pedro Chaves (PSC-MS). Conforme acordo entre os líderes partidários, não haverá obstrução, mas todos os destaques serão votados nominalmente.
Segundo o texto-base aprovado, o aumento da carga horária do ensino médio terá uma transição dentro de cinco anos da publicação da futura lei, passando das atuais 800 horas para 1.000 horas anuais. O aluno terá de escolher áreas de conhecimento: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica.
Uma das diferenças desse texto em relação ao texto original da MP é que as disciplinas de artes e educação física voltam a ser obrigatórias. Além disso, o governo federal ajudará os estados com recursos para o ensino integral por dez anos, em vez dos quatro anos inicialmente previstos.
O deputado Wilson Filho (PTB-PB), relator revisor da medida provisória que reformula o ensino médio (MP 746/16), acredita que as mudanças vão reduzir a evasão escolar. “50% das pessoas que começam o ensino médio, não terminam porque acham desinteressantes”, informa.
Entre os principais avanços alcançados, o deputado destaca a decisão de manter Artes e Educação Física com matérias obrigatórias.

Comentários
0 Comentários